Unifeob realiza webinars sobre atividade física e inteligência emocional

Unifeob realiza webinars sobre atividade física e inteligência emocional

Nas últimas semanas, a Unifeob tem promovido webinars para ajudar estudantes e colaboradores a lidar melhor com o isolamento social e se preparar para os efeitos da quarentena. Sempre com especialistas e referências nos assuntos em pauta, os vídeos têm conteúdo cuidadosamente planejado. Os dois mais recentes trouxeram informações sobre questões físicas e emocionais.

“A gente vê a imprensa usando de uma forma muito negativa. As pessoas ficam angustiadas, com medo, retraídas. É importante saber escolher quais notícias são importantes, não entrar em polarizações políticas, em uma ciranda de negativismo”, explica o consultor e professor da Escola de Negócios da Unifeob, Almir Abreu, um dos palestrantes. “As pessoas não podem parar para não virem a adoecer por falta de exercício, que é um  remédio para várias doenças”, diz o coordenador do curso de Educação Física, Francisco Neto. Em seu webinar, ele falou sobre a importância de realizar atividades físicas nesse período.

Inteligência Emocional

O webinar contou com o professor convidado Sérgio Salazar, que foi docente na Unicamp e é formado em Logoterapia. “Quando o Almir me perguntou se eu gostaria de fazer a apresentação na Unifeob, concordei de imediato. O cuidado que a instituição procurou satisfazer foi o emocional; isso requer interpretar os nossos sentimentos, mas também os nossos pensamentos”, afirma. “Podemos transformar esse momento em uma oportunidade de aprendizado, de solidariedade, cuidarmos uns dos outros e reforçar nossos vínculos mesmo a distância. Não é sobre o que acontece com a gente, mas sim sobre como nós lidamos com isso”.

Almir destaca a experiência de vida de Salazar. “Talvez seja a pessoa que mais conheça a dinâmica de personalidade humana no Brasil hoje”, relata. “Apesar disso, ele não se vale somente do que está escrito nos livros: sua história de vida, que foi preso político e soube lidar com adversidades como essa sem ficar se lamentando ou se justificando, sustenta o que ele fala. Foi um aprendizado vivencial, real e concreto”. Para ele, o segredo é atribuir valores positivos a experiências como essa. “É preciso sair da armadilha de responsabilizar o isolamento social por nossas emoções. Quando se dá uma nova interpretação para o que está acontecendo do lado de fora, internamente consegue-se trabalhar de uma forma muito positiva”.

“Não é sobre o que acontece com a gente, mas sim sobre como nós lidamos com isso”, diz o professor convidado Sérgio Salazar

Atividades Físicas

Com o fechamento de clubes, academias e centros desportivos, os cuidados com o corpo são fundamentais no isolamento. Francisco Neto fez questão de abordar o tema virtualmente. “O objetivo foi justamente conscientizar as pessoas sobre a importância do continuar a treinar. É importantíssimo se manter ativo”. Ele afirma que o coronavírus não é a única ameaça em potencial durante o período que vivemos. “É preciso manter a atividade para não adoecer de outras complicações pela falta de exercício, que ajuda a controlar diabetes, depressão, doenças crônicas e cardiovasculares, por exemplo”.

De acordo com o profissional, a cada semana sem atividades físicas o corpo perde de 3 a 5% de capacidade cardiorrespiratória. “Também diminui o tônus e a massa muscular por não ter o estímulo frequente que o atleta ou o indivíduo praticante está acostumado”, destaca. O educador físico elencou algumas dicas para se manter ativo na quarentena:

  • Procure fazer uma atividade um pouco abaixo do seu condicionamento atual para não correr o risco de se machucar, mas com as orientações de um profissional, mesmo a distância. O perigo de pegar qualquer exercício na internet é ele não ser apropriado para o nível atual de treinamento; 
  • Encontre um local apropriado em casa, onde as atividades físicas possam ser feitas com conforto, segurança e sem distração;
  • Siga lives de profissionais, sempre adequadas ao seu condicionamento;
  • Mantenha uma regularidade (mesmo que não todo dia, pelo menos três vezes por semana, incluindo sábados e domingos);
  • Divirta-se! Reúna a família, torne a rotina de treinos um momento prazeroso e de estímulo à saúde.