Unifeob é referência na gestão da crise do coronavírus

Unifeob é referência na gestão da crise do coronavírus

Ações administrativas e pedagógicas, aliadas à tecnologia, preservam a rotina de estudos

Mesmo antes da publicação do decreto 64.862/2020, em que o Governo do Estado de São Paulo recomendou a suspensão de atividades presenciais de instituições de ensino superior por conta da possibilidade de disseminação do COVID-19 (coronavírus), a Unifeob já havia adotado medidas para preservar a segurança e a rotina dos estudantes. Na próxima segunda-feira (23), o Campus Mantiqueira será totalmente fechado — é o encerramento deste ciclo de providências que começou com o mapeamento de pessoas de grupos de risco; implantação de medidas de prevenção e conscientização; virtualização das aulas e demais atividades; e home office de todos os colaboradores. Tudo continua normalmente no ambiente virtual.

A estudante Marcela Nozawa, do 5º módulo de Medicina Veterinária, parabeniza a instituição pela resposta rápida e eficiente à crise. “Na segunda-feira passada, os professores já estavam organizados. A partir de uma plataforma on-line, postaram aulas interativas, desafios, artigos, tudo para a gente manter os nossos estudos”. Aline Vital, do 5º módulo de Pedagogia, também aprovou o novo método. “Eu não tenho computador, só celular, e estou conseguindo fazer tudo com muita facilidade. A Unifeob está se saindo super bem”.

Outras instituições de ensino, tanto superior quanto fundamental, entraram em contato à procura de referências para lidar com a situação. A equipe Unifeob está aberta a todas as parcerias em benefício da comunidade e entusiasmada pela oportunidade de compartilhar seu know-how pedagógico, tecnológico e administrativo. “Todos querem entender como a Unifeob conseguiu, em um curto espaço de tempo, virtualizar suas atividades acadêmicas e aulas. Também estão em busca da capacitação para seus docentes”, explica o reitor João Otávio Bastos Junqueira. “Nós estamos focados no estudante, em sua aprendizagem e na experiência; em resumo, na manutenção do sonho de estudar de cada um que nos procurou”, assegura.

A resposta imediata é resultado de um preparo iniciado em 2012, com a reformulação do projeto pedagógico, que colocou o estudante como protagonista do processo de aprendizado. Outros fatores essenciais foram a parceria educacional com a multinacional Google e a gigantesca estrutura de Tecnologia da Informação (TI) da instituição. “Na nossa região, temos o maior sistema de Wi-Fi de longo alcance e o maior link de internet que uma operadora de telefonia pode fornecer. Podemos dizer, portanto, que a Unifeob é a instituição mais digital da região em termos de ferramentas, projetos e infraestrutura”, garante o gestor de TI, Wellington Silva.

Plano de Ação

A primeira medida foi implementar o Comitê Emergencial Multidisciplinar COVID-19 (CEM-19), formado por membros da Reitoria, corpo administrativo e coordenadores de cursos da Unifeob. Ele se reúne diariamente por videoconferência para monitorar o avanço do contágio no Brasil e aplicar providências de adaptação e prevenção adequadas. “Neste momento de contingência, é essencial que as ações, decisões e estratégias estejam centralizadas, para não ter dispersão de orientações e, consequentemente, de ações”, assevera o reitor João Otávio.

Uma forte campanha de prevenção e mudança de hábitos foi divulgada on-line e no Campus Mantiqueira. O conteúdo dos posts e dos cartazes é diversificado: são informações sobre a doença, formas de evitar o contágio e instruções para lavar as mãos e utilizar o álcool em gel. Também foram publicados vídeos para informar e orientar os estudantes, e instalados recipientes de álcool em gel por todo o campus — tudo feito sob condução das coordenadoras Cíntia Rossi (Ciências Biológicas e Biomedicina), Cristiane Figueiredo (Medicina Veterinária) e Eliane Mendes (Enfermagem). Também foi colocada no ar uma página com informações constantemente atualizadas sobre a pandemia de COVID-19 (unifeob.edu.br/coronavirus).

A recepção e a administração da Unifeob também foram adequadas ao ambiente digital. “Central de Relacionamentos, Comercial, Coordenação, Conexão, Tesouraria, tudo está com funcionamento 100% virtual, inclusive os benefícios, como Prouni e Fies. Se é necessário algum atendimento no EaD, ele é feito personalizadamente por videoconferência”, garante o coordenador de Projetos de Tecnologia, Rodrigo Marudi.

Aulas

Em atendimento às recomendações dos órgãos responsáveis (Vigilância Epidemiológica, Secretarias Estaduais de Saúde e Educação, Ministérios da Saúde e da Educação e Organização Mundial da Saúde), aulas e demais atividades foram virtualizadas; portanto, nenhum curso foi interrompido. “As orientações são recebidas por meio de vídeos ao vivo ou gravados. Como a estrutura do planejamento pedagógico é feita coletivamente, tanto os professores quanto os estudantes sabem exatamente que trilha seguir, aonde querem chegar”, explica a coordenadora pedagógica Inês Waitz. “O professor seleciona a metodologia e os recursos tecnológicos mais apropriados para cada encontro”.

“Nós estamos focados no estudante, em sua aprendizagem e na experiência”, afirma o reitor João Otávio Bastos Junqueira.

Durante a semana, o feedback positivo dos universitários evidenciou o sucesso da transposição da sala de aula física para a virtual. “A tecnologia está hoje nas nossas mãos. Parabéns pela dedicação, por se preocupar com nosso aprendizado e nos manter sempre informados”, diz a estudante Marcela. Aline Vital está satisfeita com a organização do conteúdo. “A Unifeob está dando todo o suporte para a gente. Em todas as minhas dúvidas, todos os professores se colocam disponíveis 100% do tempo. Estou achando o máximo”.

Há uma rotina preestabelecida em um cronograma para os docentes:

19h40 — Entrada ao vivo para orientações da unidade em estudo;

20h — Leitura de material expositivo ou apresentação ao vivo;

20h30 — Desenvolvimento de atividades voltadas ao tema;

22h — Fechamento da aula e postagem das atividades on-line.

Os coordenadores de curso também utilizam as plataformas para manter o contato frequente com os universitários. “Eles são referência para os estudantes. Nesse momento, estar presente e acolher as turmas, principalmente de ingressantes, é essencial e faz parte do jeito Unifeob de enxergar a educação, de maneira humanizada”, relata Inês, que reafirma a necessidade de uma atmosfera solidária em tempos de isolamento. “Temos que buscar novas práticas de convivência focadas em valores universais, como respeito, solidariedade e ética, gerando um ambiente positivo e de cuidados mútuos”.

Plataformas digitais

Com a tecnologia Google, professores e estudantes têm acesso a diversas plataformas desenvolvidas especificamente para aulas virtuais — Classroom, Forms, Tasks, Hangouts, mapas mentais, realidade virtual e realidade aumentada, entre outros. “São aulas práticas realizadas em laboratório ao vivo pela internet, apresentações em grupo on-line, podcasts, gamificação em aulas ao vivo e a distância, apps de smartphone exclusivos para estudantes, entre outros”, cita Rodrigo Marudi.

O constante uso das ferramentas Google pelos docentes foi fundamental para a rápida adaptação ao ambiente virtual. “Foi essencial que tivessem esse conhecimento prévio para estender o uso como agora. Também estamos oferecendo capacitação para usarem ainda melhor as aplicações e dar continuidade ao ensino”, explica Marudi. “A Unifeob e toda a comunidade da tecnologia está fazendo sua parte. É hora de a humanidade se unir”.