Estudantes de Pedagogia da UNIFEOB visitam escola inclusiva em São Paulo

Estudantes de Pedagogia da UNIFEOB visitam escola inclusiva em São Paulo

Por iniciativa própria, dois estudantes de Pedagogia da UNIFEOB realizaram uma visita técnica ao Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Campo Limpo, em Capão Redondo, São Paulo. Referência em educação inovadora e inclusiva desde 1998, a escola já foi assunto de diversas reportagens de veículos como CartaCapital, Agora, Nova Escola e G1. “Os estudantes se misturam e existem dois professores por sala, fazendo com que a as matérias se comuniquem”, explica a coordenadora de Pedagogia da UNIFEOB, Patrícia Furlanetto. “Não existem provas, as avaliações são feitas conforme as competências são desenvolvidas”.

Visita

A viagem foi feita na segunda-feira (2) por Eduardo Dias e Aline Vital, ambos do 5º módulo de Pedagogia. “Sempre ouvimos falar sobre escolas inovadoras no curso, mas não dava para acreditar que realmente existiam instituições como essa. A gente quis ir para tirar a prova dos nove”, afirma Aline. A futura pedagoga ressalta a importância de colocar em prática o que pôde observar no CIEJA. “Se a gente ensinar as crianças, desde o início, que todos merecem o mesmo respeito e as mesmas oportunidades, acredito que lá na frente a gente vá colher bons frutos”.

O objetivo foi levantar dados para o PI (Projeto Integrado) deste semestre, cujo tema proposto foi “escolas inovadoras”. “A maioria das pessoas do nosso grupo se formou pela EJA, então a gente escolheu essa escola por também ser de Educação de Jovens e Adultos”, explica a estudante. Ela ficou impressionada com a prática pedagógica do local. “Isso não só contribui para o nosso aprendizado, como nos motiva ainda mais a fazermos a diferença na educação”.

A vivência de situações reais e significativas faz parte do projeto pedagógico da UNIFEOB. “Desde o início, os estudantes experimentam uma forma diferente de aprender”, afirma a coordenadora Patrícia Furlanetto. Para Aline, é um grande incentivo. “Os professores programam o PI com muito carinho, como tudo que fazem. Se não fosse isso, a gente não teria conhecido a escola e se prontificado a fazer a visita”.

CIEJA

Alguns dos projetos desenvolvidos no CIEJA Campo Limpo são: o Café Terapêutico, uma reunião frequente com pais de estudantes Portadores de Necessidades Especiais (PNE); mapeamento de desenvolvimento individual; ensino de Libras; gastronomia; marcenaria; saraus; e palestras sobre temas sociais, culturais e políticos. “Outro diferencial é que a cada ano a equipe da escola, juntamente com os estudantes, escolhem um tema gerador trabalhado em todas as disciplinas”, diz Patrícia.