Pedagogia UNIFEOB tem aula prática especial sobre ecossistema

Pedagogia UNIFEOB tem aula prática especial sobre ecossistema

Os estudantes do 3º módulo de Pedagogia tiveram uma aula diferente de Educação Ambiental na última sexta-feira, 14. Para se apropriarem de conceitos de Ecossistema (conjunto de comunidades que vivem em um determinado local e interagem entre si e com o meio ambiente), o professor Hevisley Ferreira promoveu um método de imersão por meio de uma dinâmica.

“Eles foram ligados entre si por anéis e barbantes enquanto respondiam questões ambientais da atualidade. Depois, colocaram todas as respostas em um grande boneco”, explica o professor. “O intuito foi dar a sensação a eles de estar em um mesmo organismo vivo, como na hipótese de Gaia, criada pelo ambientalista James Lovelock”.

“Tanto o boneco quanto os anéis e o barbante serviram para dar aos estudantes a sensação de unicidade, já que o ecossistema também funciona dessa forma”. O educador defende a aplicação de práticas como essa no trabalho com os futuros pedagogos. “Com esse tipo de dinâmica, deu para trazer a noção de ecossistema para eles. É preciso utilizar tanto a teoria quanto a prática em sala de aula”.

Educação Ambiental

Desde 1999, a Educação Ambiental passou a estar presente em todos os espaços escolares por conta da Lei 9.795. “É um estudo importantíssimo para os dias de hoje, nós estamos em um processo de crise da relação entre homem e meio ambiente”, conta Hevisley. No art. 2º, é especificado: “A Educação Ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal”.

“É preciso utilizar tanto a teoria quanto a prática em sala de aula”, explica o professor Hevisley Ferreira.

Hipótese de Gaia

Elaborada pelo cientista inglês James Lovelock, em 1979, foi fortalecida pelos estudos da bióloga norte-americana Lynn Margulis. Segundo a hipótese, o planeta é um imenso organismo vivo, capaz de obter energia, regular clima e temperatura, eliminar detritos e combater as próprias doenças. Ela também sugere que os seres vivos são capazes de modificar o ambiente em que vivem, adequando-o para sua sobrevivência. A hipótese chama atenção para as relações existentes entre todos os seres vivos, principalmente a espécie humana.