Desenvolvimento humano é tema de TFG de Arquitetura e Urbanismo na UNIFEOB

Desenvolvimento humano é tema de TFG de Arquitetura e Urbanismo na UNIFEOB

Solucionar o problema de desenvolvimento humano no Nordeste. Essa foi a ideia inicial de um dos Trabalhos Finais de Graduação apresentados no fim do semestre pelos estudantes do curso de Arquitetura e Urbanismo. Esta é a primeira turma do curso que apresenta seus TFGs. Os trabalhos ficarão expostos até o final do ano.

Os TFGs são os produtos apresentados pelos universitários que estão no último ano da graduação em Arquitetura e Urbanismo, a fim de conseguirem o tão sonhado diploma de arquiteto. “É o ápice do curso, é o momento no qual o estudante demonstra domínio global da disciplina que lhe confere o direito ao exercício da profissão com a consequente responsabilidade técnica. São dois semestres divididos em uma fase de pesquisa e preparação para o projeto arquitetônico e o segundo semestre para efetivamente projetar um edifício ou uma intervenção urbana”, explica o professor Fabrício Godoi.

Os estudantes são avaliados por uma banca formada pelo orientador, um professor convidado e um professor da casa. Dentre os 21 projetos apresentados, uns eram mais simples, outros mais elaborados, mas todos de excelente qualidade, de acordo com o coordenador do curso, Ricardo Ciaco.

Um dos TFGs apresentados foi o do estudante Matheus Costa Ferraz. Ele foi orientado pelo professor Fabrício e teve como objetivo usar a arquitetura para ajudar no desenvolvimento humano de uma região, no caso, o nordeste brasileiro. Matheus estudou fatores como a economia, saúde, educação e o arranjo produtivo local para determinar a caprinocultura como elemento potencializador na região de Custódia, no interior de Pernambuco.

“O Matheus estudou a existência de índices, que, apesar de imperfeitos, condensam dados de maneira mais visível. A região foi escolhida pelo potencial de existência de dois investimentos de grande porte: a transposição do Rio São Francisco e a ferrovia transnordestina”, explicou Fabrício.

A primeira etapa desse projeto foi escrita durante o módulo 9. Já no módulo 10, ele fez a parte arquitetônica, do que seria um centro de desenvolvimento da caprinocultura, com áreas de exposição, apoio administrativo, marketing, logística, planejamento, laboratorial etc. O trabalho foi nomeado como “Preenchendo lacunas: Arquitetura orientada ao desenvolvimento humano”. “Eu escolhi esse tema pelo seu âmbito social. O desenvolvimento humano é uma questão extremamente complexa, que deveria atrair a atenção de qualquer profissional. A quantidade de trabalhos e pesquisas relacionados a essa temática, em específico na área da arquitetura, são mínimas, o que abriu espaço para compreender qual o espaço do arquiteto no desenvolvimento humano”, conta Matheus.

Segundo o orientador, o aluno superou as expectativas. “Podemos dizer que o Matheus atingiu plenamente os objetivos. É, de fato, um projeto que, caso fosse realmente implantado, atingiria o seu objetivo: o desenvolvimento humano naquele recorte territorial (ou seja, o desenvolvimento regional). E é isso que nós desejamos com o nosso curso de Arquitetura e Urbanismo na UNIFEOB”.

“Significou muito! O arquiteto não deve se preocupar apenas com o desenvolvimento de casas e outras edificações, mas, sim, procurar compreender as problemáticas que a vida impõe”, finaliza o novo arquiteto e urbanista, Matheus.

Matheus foi um dos estudantes a encantarem a banca com seu trabalho. Além do TFG dele, os outros 20 trabalhos ficarão expostos até o fim do ano. A ideia é que os projetos sirvam de base para as próximas turmas, uma vez que, agora, eles se tornaram referências na UNIFEOB.