Estudantes de Engenharia Agronômica da UNIFEOB se destacam no mercado de trabalho

Estudantes de Engenharia Agronômica da UNIFEOB se destacam no mercado de trabalho

Graduados e estudantes prestes a se formar em Engenharia Agronômica na UNIFEOB têm conseguido excelentes vagas no mercado de trabalho. “O agronegócio é muito diversificado, um campo vasto para diferentes perfis de profissionais. Pesquisa, desenvolvimento de mercado, área comercial, consultoria. É um grande leque de possibilidades de atuação”, diz o professor Victor Hugo Florencio, responsável pelo Grupo de Estudos em Sistemas de Produção (GESP), que reúne universitários para estudos paralelos aos da grade do curso.

Flávio Buzatto Rovani

“O que hoje eu sei de experimentação agrícola, devo ao GESP”, afirma Flávio Rovani, recém-contratado para estagiar na Fertiláqua, um dos maiores grupos de nutrição, fisiologia de plantas e revitalização de solo no Brasil. Ele conclui o curso em julho de 2020, mas pretende continuar os estudos na área. “As aulas me abriram a cabeça para todas as áreas de agricultura, bovinocultura. Fiquei muito feliz quando essa oportunidade surgiu, de uma empresa com muitos afiliados. Tenho certeza que consegui a vaga por mérito meu e da UNIFEOB”.

 

Sérgio Romão de Paula

Sérgio de Paula estuda na UNIFEOB e é auxiliar de pesquisa na Corteva, empresa americana considerada a maior organização agrícola de reprodução pura do mundo. “Eu sou responsável por ajudar nas atividades de pesquisa e desenvolvimento de produtos”, explica. Ele ficou muito feliz com a chance de trabalhar em uma companhia desse porte. “Agora pretendo fazer uma pós-graduação ou mestrado na mesma área. Quero me tornar um profissional cada vez mais capacitado”.

Mateus Soares Melo

Com sede na Suíça, a Syngenta é uma empresa global presente em mais de 90 países, especializada em sementes e produtos químicos voltados para o agronegócio. Mateus Melo agradece à UNIFEOB pela vaga de estágio em Pesquisa e Desenvolvimento na área de proteção de cultivos conquistada na multinacional. “O curso me proporcionou todos os fatores que me ajudaram a conseguir: participar de grupos de estudos, como o GESP e o Grupo da Cafeicultura, estar sempre com a mão na massa, trabalhar na área com os professores”, indica. Mateus agora pretende fazer mestrado para expandir os conhecimentos. “Curto demais a parte de pesquisa, pretendo seguir isso”.

Para saber mais sobre o curso de Engenharia Agronômica da UNIFEOB, de nota máxima segundo avaliação do Ministério da Educação (MEC), estrutura com maquinário e laboratórios exclusivos na Fazenda-Escola de 150 hectares, acesse:

https://vestibular.unifeob.edu.br/engenharia-agronomica/