Unifeob apresenta medidas de virtualização em webinar

Unifeob apresenta medidas de virtualização em webinar

A coordenadora de operações acadêmicas descreveu as ações tomadas frente à pandemia de coronavírus para outras instituições

Em uma crise mundial, o compartilhamento de informações é vital, independentemente do campo. O Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo) está promovendo, de 25 de março a 13 de abril, uma série de webinares entre instituições de ensino superior pela plataforma Eventials. O objetivo é compartilhar boas práticas e soluções encontradas para manter o funcionamento diante da pandemia de coronavírus. O caso de sucesso apresentado nesta sexta-feira (3) foi o da Unifeob, já reconhecida como referência pelas atitudes tomadas.

A virtualização das atividades presenciais foi o destaque. “Uma estratégia foi a adoção de aulas síncronas por Google Hangouts Meet. Também temos aulas assíncronas, conforme a programação de conteúdo do curso”, diz a coordenadora de operações acadêmicas da Unifeob, Michele Colla, que apresentou o webinar para mais de 140 representantes e colaboradores de diversas instituições de ensino do Estado de São Paulo. Pelo chat, todos elogiaram e fizeram várias perguntas para descobrir como a Unifeob tem lidado de forma tão exemplar com o período de quarentena. “O Comitê Emergencial Multidisciplinar se reúne todos os dias até hoje, inclusive aos sábados e domingos, para monitorar o avanço da pandemia. Também há acompanhamento diário dos comitês financeiro e jurídico, representação institucional em comitês sobre Covid-19 na região e estamos atentos a todos os feedbacks”.

Estudantes

Durante a apresentação, Michele frisou do começo ao fim a preocupação da Unifeob com o bem-estar dos estudantes. “São em torno de 4,5 mil pessoas nos cursos presenciais. Elas circulam nos campi, na Fazenda-Escola. Tomamos todas as medidas para garantir a segurança delas, bem como dos nossos colaboradores e docentes”, relata. “Também desenvolvemos um programa de financiamento institucional emergencial. Cada caso é avaliado para verificarmos como podemos ajudar. É mais uma ferramenta de garantia e acolhimento aos nossos estudantes”.

A transição para o ambiente virtual, no entanto, foi tranquila e praticamente instantânea. “A Unifeob já utilizava as ferramentas digitais, os estudantes e docentes tinham preparo para isso. As equipes acadêmicas virtualizaram as aulas presenciais em um período de tempo muito curto. Os fatores que levaram a isso foram nossa estrutura de TI (Tecnologia da Informação); a capacitação permanente dos docentes; o foco na aprendizagem significativa, estruturada em um projeto pedagógico de formação por competências; e as novas ferramentas de aprendizagem”, relembra Michele. “E, claro, fazemos uma avaliação diária de tudo o que está sendo feito para aprimorar cada vez mais”.

Uma das questões levantadas no chat dizia respeito às pessoas sem acesso à internet ou dispositivos para utilizá-la. “Avaliamos os pedidos e disponibilizamos Chromebooks a quem precisava, por conta da parceria entre Google e Unifeob. Todas as aulas ficam gravadas e podem ser assistidas a qualquer momento. Além disso, quando os professores propõem uma atividade no ambiente virtual, há hoje um prazo maior para responder, para que todos tenham tempo de encontrar um ponto de conexão”.

“Tomamos todas as medidas para garantir a segurança dos estudantes, bem como dos nossos colaboradores e docentes”, diz Michele Colla.

Canal aberto

A atenção especial dada aos estudantes, tanto da graduação quanto da pós-graduação, é demonstrada de diversas formas. “Desde o começo, queríamos que todos tivessem a segurança de que o calendário acadêmico seria mantido, sempre em cumprimento às leis vigentes”, garante. “Abrimos canais de comunicação direta: conversas constantes com coordenadores de curso por aplicativos; vídeos semanais do reitor da Unifeob, João Otávio Bastos Junqueira, trazendo informações e tranquilizando a todos; chat para atendimento virtual; e pesquisas para entender como as pessoas estão se sentindo em relação a tudo isso, por exemplo”, cita Michele.

A comunicação no site e mídias sociais da Unifeob também se faz presente diariamente na vida dos estudantes. “Há inclusive páginas criadas e postagens frequentes para incentivar os universitários a continuarem estudando, se informarem sobre a situação do coronavírus, a manter o isolamento social e com dicas de saúde e qualidade de vida por parte da Escola do Bem-Estar – não só para estudantes, mas também para docentes e colaboradores”.

Semesp

Congrega um grupo expressivo de mantenedoras do Brasil e tem como objetivos preservar, proteger e defender o segmento privado do ensino superior; prestar serviços de excelência e orientação especializada aos associados; e oferecer soluções para o desenvolvimento da educação acadêmica.