O reitor da UNIFEOB João Otávio Bastos Junqueira participa de conselho de reitores que coloca a universidade em discussão junto ao Ministro da Educação.

O reitor da UNIFEOB João Otávio Bastos Junqueira participa de conselho de reitores que coloca a universidade em discussão junto ao Ministro da Educação.

“O Ministério da Educação está fazendo o possível para não prejudicar nenhum programa estrutural”, disse o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, em apresentação ao Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB).

Entre os temas trazidos para discussão pelo conselho estão uma maior colaboração das universidades na educação básica, as diretrizes para regulação dos cursos de pós-graduação latu sensu e a metodologia da avaliação institucional. Um dos pontos que precisa ser revisto, segundo o Crub, é a importância do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) nas notas dos cursos.

Para o ministro, a avaliação tem um papel importante na melhoria da qualidade da educação superior brasileira. “O Brasil só avançou graças a avaliação”, disse. “A avaliação é um processo que precisa ser mudado constantemente; quando você tem a mesma avaliação por um tempo as pessoas começam a trabalhar apenas sobre a métrica da avaliação”, afirmou Janine Ribeiro.

Financiamento – O ministro também destacou que a qualidade dos cursos será o foco para a concessão do Financiamento Estudantil (FIES). “No primeiro semestre nós aumentamos o percentual de vagas em cursos nota cinco. Podemos aprimorar o Fies avantajando o número de cursos de qualidade e mais focados nas premências nacionais, como formação de professores, na área de saúde e nas engenharias.”

STF – A Ministra Cármen Lúcia Antunes da Rocha, Vice-Presidente do Supremo Tribunal Federal – STF, recebeu em audiência a delegação do CRUB liderada pelo seu Presidente, Reitor Wolmir Therézio Amado – PUC-GOIÁS.

Em pauta a Lei do Feminicídio sancionada em março de 2015, e que ela deseja que as Universidades, Centros Universitários e Faculdades, ajudem a torná-la conhecida da sociedade. A Ministra Cármen Lúcia manifestou seu firme propósito em mediar uma articulação programática e pragmática entre a Academia e a Justiça Brasileira, que favoreçam espaços visíveis de assistência às mulheres vítimas de violências, e que promovam ações em caráter preventivo na sociedade, e resultem num curto espaço de tempo, na inversão dos indicadores vergonhosos de violência contra a mulher no Brasil.