Estudantes de Letras se manifestam contra a intolerância

Estudantes de Letras se manifestam contra a intolerância

Pelo sétimo ano consecutivo, a UNIFEOB recebe o selo de Instituição Socialmente Responsável, certificado pela ABMES (Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior). Em 2017, um dos trabalhos que contribuiu para a conquista foi o Projeto Intolerância Zero, desenvolvido por estudantes do curso de Letras do Centro Universitário.

No dia 25 de setembro, professores e estudantes reuniram-se para apresentar banners iluminados com tema LGBT e frases que promovem a igualdade na Alameda do Campus Mantiqueira, organizados pelos professores Mariângela Jacomini e Helio de Oliveira. Também foi apresentada uma peça de teatro, dirigida pela professora Marli Marques, com depoimentos reais de pessoas que sofreram diversos tipos de preconceito.

As frases movimentaram os estudantes do campus, que fizeram questão de registrar o momento. Os universitários e colaboradores que assistiram à peça também se emocionaram com os depoimentos, que tocaram em assuntos muito discutidos atualmente e que, muitas vezes, são motivos de desentendimentos nas redes sociais.

Para selar este momento tão importante para curso e que traz uma discussão necessária, os estudantes do curso de Letras elaboraram um manifesto contra a intolerância.

MANIFESTO (IN)TOLERÂNCIA ZERO

Acreditamos na força das palavras. Acima de tudo, porque carregam os sentidos com os quais construímos nossa vida em sociedade, e também porque estão na raiz de todas as ações. Por meio delas planejamos, sonhamos, contamos histórias, fazemos pedidos, afirmações, declarações de amor ou, infelizmente, de ódio e de rancor. Acreditamos que dizer é fazer: palavras mobilizam.

Você certamente já deve ter notado que as diferenças raramente são vistas como algo a ser celebrado, mas sim ocultado. Se as diferenças fossem marcadas apenas por questões superficiais como: roupa, corte de cabelo, marca de carro ou celular etc., alguém poderia dizer que se trata de escolha. Entretanto, o que se observa é um julgamento sobre questões de etnia, cultura, cor da pele, peso, gênero, orientação sexual e diversos outros aspectos que não se enquadram na ideia de escolha pessoal. Tudo sempre permeado de e por palavras.

Como futuros professores, pretendemos despertar em nossos alunos o gosto pelas palavras, a capacidade de pensar por si mesmos. Como cidadãos, queremos envolver a comunidade inteira em uma luta justa, que visa o bem comum, a criação e a propagação daquilo que nos torna mais humanos: nossa fraternidade.

Assim, o MANIFESTO INTOLERÂNCIA ZERO é um contrato que firmamos em ambiente universitário, mas que esperamos disseminar ao maior número possível de pessoas. Nós o convidamos: venha acreditar conosco! E mais que acreditar: participe desse movimento!

* Pratique a empatia. Procure sempre, de alguma forma, compreender o contexto do outro e, se possível, tente imaginar como seria se você estivesse inserido nele;

* Liberte-se dos estereótipos. Nenhuma característica física está diretamente ligada ao caráter de uma pessoa;

* Se sua piada ridiculariza uma minoria que já sofre cotidianamente, evite-a. Não é engraçado se o direito de rir é dado exclusivamente a você;

* Diante de situações de preconceito, aja imediatamente. Um dos motivos da persistência desta prática é o silêncio da vítima e daqueles que estão ao redor;

* Promova ou até mesmo participe de campanhas de conscientização sobre a riqueza presente na diversidade e nas diferenças de todo tipo;

* Compartilhe a campanha em suas redes sociais. Ajude-nos a dar a essas palavras, asas.

Alunos do curso de Letras UNIFEOB

Clique aqui e conheça mais sobre o projeto.