EQUOTERAPIA UNIFEOB NA EAPIC

EQUOTERAPIA UNIFEOB NA EAPIC

Com o objetivo de divulgar o método terapêutico da Equoterapia, a UNIFEOB levou a sua equipe para a 41ª EAPIC.

Na sexta-feira, dia 11, a partir das 20 horas, na arena principal da EAPIC, será realizada uma demonstração de Equoterapia promovida pela UNIFEOB.

A Instituição atende 35 praticantes e destes, 12, irão participar da demostração na EAPIC.

Segundo o reitor João Otávio Bastos Junqueira, reitor da UNIFEOB, a apresentação tem como objetivo divulgar esse importante método terapêutico e incentivar os praticantes a interagirem socialmente em uma grande apresentação.

 

EQUOTERAPIA

A equoterapia é um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais.

De acordo com especialistas, entre as melhoras relatadas pelos pacientes, estão progressos na lateralidade, organização e orientação espacial e temporal, memória, percepção visual e auditiva, direção, raciocínio e principalmente na esfera social, que é quando a prática contribui para diminuir a agressividade, tornar o paciente mais sociável, diminuir antipatias e construir amizades.

 

O PROJETO

O projeto teve início em 2002, e no ano seguinte passou a ter como sede a Fazenda Escola da UNIFEOB – Centro Universitário Octávio Bastos, em São João da Boa Vista.

Desde então, o projeto presta um serviço à comunidade, tendo atendido cerca de 150  praticantes da cidade e de toda a região.

“Os universitários que são estagiários dos cursos de Fisioterapia, Medicina Veterinária e Pedagogia, neste projeto eles podem vivenciar na prática o que aprendem na sala de aula e a comunidade ganha em trabalho sério e de excelência”, comenta a professora e coordenadora dos projetos de Extensão da UNIFEOB Flávia Leite Figueiredo.

Além disso, os alunos do Curso de Pedagogia trabalham a inclusão de alunos com deficiência, acompanham o desenvolvimento das crianças e a importância do brinquedo para a evolução afetiva e social.

“Hoje atendemos aproximadamente 35 participantes. A equoterapia atende pessoas com diferentes tipos de deficiência, como:

– pessoas com lesões cerebrais e raqui-medular

– autistas

– síndrome de Down

-síndrome de Rubenstein-Taybi

-síndrome de Angelman

– pessoas com paralisia cerebral

– pessoas com lesões provocadas em acidentes

– terceira idade

-pessoas com transtorno opositor

-microcefalia

 

 Thais Araujo
imprensa@unifeob.edu.br